sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

NOTA DE ESCLARECIMENTO A TODOS OS FIÉIS CATÓLICOS!

A Diocese de Caruaru reconhece e respeita o direito constitucional à liberdade religiosa do nosso país. Todavia, tendo recebido comunicação fidedigna sobre o uso de vestes eclesiásticas e litúrgicas por parte de cristãos leigos residentes em Gravatá – PE e Camocim de São Félix – PE e tendo em mãos fotografias que confirmam esta usurpação, a Diocese de Caruaru, no uso das suas atribuições, declara que:

José Lucas Carlos Pinheiro, nascido em Gravatá aos 11/02/1998

Jonathan Alifer Albuquerque da Silva, nascido em Apucarana – PR aos 07/06/1996 

Carlos, de Camocim de São Felix

afastaram-se da Igreja Católica, Apostólica, Romana e vêm confundindo o povo com roupas litúrgicas da Igreja Católica, afirmando que celebram Missa e outros sacramentos, numa inequívoca afronta à legislação vigente, notadamente o Artigo 7° do Decreto n. 7.107, de 11/02/2010 (Acordo Brasil – Santa Sé), que “garante a proteção dos lugares de culto da Igreja e de suas liturgias, símbolos, imagens e objetos cultuais contra toda forma de violação, desrespeito e uso ilegítimo”.

Conclamamos os fiéis católicos a permanecerem em comunhão com a Igreja Católica, com o Papa Francisco e com o Bispo Diocesano e, portanto, a não participarem de celebrações por eles promovidas, pois as mesmas não têm nenhum valor religioso ou sacramental. O Código de Direito Canônico preceitua que “quem não é promovido à ordem sacerdotal e simula a administração de um sacramento seja punido com justa pena” (Cân. 1378 e 1379).

Declaramos também que, se os mesmos manifestarem o desejo de voltar à Igreja Católica, onde foram batizados, renovando com declaração pública o propósito de aderir à disciplina da Igreja Católica, poderão ser readmitidos à comunhão eclesial após um período de renovação espiritual.

Cúria Diocesana de Caruaru, 13 de outubro de 2017.

Pe. Emerson Mozart da Silva
Chanceler da Cúria

Dom Bernardino Marchió
Bispo diocesano de Caruaru

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Seminaristas recebem ministério de Leitor!

No dia 12 de Dezembro na catedral de Santa Luzia Diocese de Mossoró, o Excelentíssimo e Reverendíssimo Bispo Diocesano Dom Mariano conferiu aos seminaristas que cursam o 2 ano de Teologia o ministério de Leitor. Neste dia o Seminarista Ikaro Dreân membro do grupo de vida João Paulo II estava presente para receber este ministério. Nossas Orações para que os mesmo continuem sua caminhada vocacional. Santa Luzia Rogai por nós!

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

PADRES QUE ILUSTRARÃO A FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA!!!

No primeiro aniversário de nossa paróquia da Sagrada Família em Tenente Ananias, queremos apresentar a vocês caros internautas nossos sacerdotes que por aqui passarão para deixar ao povo de Deus sua mensagem de amor e de esperança. Contaremos com a ilustre presença amiga do Reverendíssimo Pe. Claudio Dantas de Oliveira, que atualmente está sobre o pastoreio da Paróquia de São João Batista em Cerro Corá Diocese de Caicó.

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

PREPARAÇÃO PARA A FESTA DA SAGRADA FAMÍLIA

Tenente Ananias entra em clima de Festa!!! Nossa cidade começa a receber as luzes e decoração em preparação para a Festa do Natal do Senhor. Nossa alegria é acolher a Família de Nazaré que fez morada aqui conosco. Venham celebrar conosco de 20 a 30 de Dezembro Festa dos nossos Padroeiros a Sagrada Família!!! Jesus, Maria e José!

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

PADRE CLÁUDIO REALIZA ENCONTRO COM MISSIONÁRIOS!!!


No dia 01 e 02 de Dezembro deste ano o Administrador Paroquial da Paróquia de  São João Batista o Pe. Cláudio Dantas realizou reunião com os animadores de setores missionários da referida paroquia.  Na ocasião estiveram presente missionários da Zona Urbana e Rural. Os missionários irão celebrar o Natal em Família em toda a Paroquia.

sábado, 2 de dezembro de 2017

PARÓQUIA DE SÃO JOÃO BATISTA ELEGE NOVA COORDENAÇÃO DO APOSTOLADO DA ORAÇÃO!

Com o inicio do mês de Dezembro  na primeira sexta feira do mês dia (01/12) celebrada em toda a Igreja a missa votiva do Sagrado Coração de Jesus, o Pe. Claudio Dantas apresentou a comunidade paroquial a nova coordenação do Apostolado da sua paróquia. O Apostolado da oração da paróquia de São João Batista de Cerro Corá-RN, elege nova diretoria: Presidente (Gorett Garcia, Vice-presidente, Francisca santos, secretário, Itamar Pereira Silva Júnior e a tesoureira, Maria Eleotério. Com a ex- presidente dona Tica, a quem nós agradecemos imensamente pela colaboração ao longo destes anos.
Roguemos ao Senhor da messe que seus operários tenham os mesmos sentimentos do seu Imaculado Coração!

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

CORAGEM, SOU EU. NÃO TENHAIS MEDO!


“Ao anoitecer, Jesus estava ali sozinho, mas o barco já estava distante da terra, fustigado pelas ondas, porque o vento soprava contra ele. Alta madrugada, Jesus dirigiu-se a eles, andando sobre o mar.  Quando o viram andando sobre o mar, ficaram aterrorizados e disseram: “É um fantasma!” e gritaram de medo. Mas Jesus imediatamente lhes disse: “Coragem! Sou eu. Não tenham medo!”. “Senhor”, disse Pedro, “se és tu, manda-me ir ao teu encontro por sobre as águas”. “Venha”, respondeu ele. Então Pedro saiu do barco, andou sobre as águas e foi na direção de Jesus. Mas, quando reparou no vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!” Imediatamente Jesus estendeu a mão e o segurou. E disse: “Homem de pequena fé, por que você duvidou?” (Mt 14, 24-31)
Olhando para esse versículo bíblico, extraído do Evangelho de São Mateus, vemos que Jesus aparece na hora da tempestade, acalmando o vento e as ondas do mar. O ensinamento de Jesus vem através de Pedro, que nos convida a “olharmos”, profundamente, para Jesus. Ter os olhos fixos Nele cada vez que a tempestade aumentar, pois na medida em que olhamos mais para as tribulações, para as situações de desespero e dificuldade, nós afundamos e nos distanciamos no amor de Deus. Isso nos faz refletir sobre todas as dimensões de nossa vida, a dimensão pastoral (na Igreja), a dimensão social (o convívio com os outros) e a dimensão familiar (na família). Na maioria das vezes nós nos sentimos infelizes, abalados e atormentados com os acontecimentos do dia a dia, pois em todas essas dimensões da vida humana nós iremos encontrar dificuldade. Entretanto, é neste momento em que devemos recorrer a Jesus, pedindo o auxílio e a sua “mão”, porque nós não temos tanta força para superar e superar os desafios da vida e afundamos facilmente. O nosso medo, a nossa fraqueza e o nosso desamor nos fazem questionar o porquê de não confiar, inteiramente, no agir de Deus, o porquê de se deixar abalar pelas ventanias da vida e/ou porque eu me sinto tão inseguro mesmo estando junto de Deus. Isso acontece porque nós nos esquecemos que Deus é o mentor de tudo, o projeto é Dele. Aceite seguir os passos que Deus te orienta, apesar dos riscos que possa correr. Viva, ame, perdoe, ame e se doe, pois o vento vai sempre tentar nos desanimar, fazendo com que o foco da viagem se perca e a agente queira ter vontade de olhar para trás e abrir mão de tudo.

Íkaro Drêan
Seminarista do 2º Ano de Teologia 
Diocese de Mossoró/RN



quinta-feira, 30 de novembro de 2017

A PACIÊNCIA TUDO SUPORTA...

Quando pedimos para ter paciência precisamos ser inspirado por alguém que realmente seja muito paciente. E percebendo essa necessidade de construirmos um mundo com pessoas que buscam ter paciência com o outro, busquemos olhar atentamente para a paciência de Deus. Lembre-se paciência para com os que erram, os ignorantes. O ápice do amor triunfa no momento em que o amor da minha vida fez uma besteira, mais eu continuo unido a ele, para suportamos juntos a bobagem que ele (a) comenteu.
Assim, olhemos na sagrada Escritura a paciência de Deus. Por que Sabemos que Deus é amor (1Jo 4,8) e que o amor é paciente (1Cor 13,4). Sem dúvida alguma, a paciência ou longanimidade é um aspecto importante do amor de Deus. É uma qualidade divina mencionada várias vezes no Antigo Testamento. No livro do Êxodo 34,6-7 descreve Deus nestes termos:"SENHOR, SENHOR Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração!" Em Naum 1,3, encontramos este comentário sobre a paciência e a justiça de Deus: "O SENHOR é tardio em irar-se, mas grande em poder e jamais inocenta o culpado; o SENHOR tem o seu caminho na tormenta e na tempestade, e as nuvens são o pó dos seus pés."

Aprendamos a ser paciente, assim como Deus!!!

terça-feira, 28 de novembro de 2017

NA VIDA MISSIONÁRIA ONDE ESTOU...


O Blog do GVJPII desenvolve um novo quadro: Na vida Missionaria onde estou... Nosso desejo é informar os internautas sobre a vida de muitos homens e mulheres que vivem na missão. E Hoje, queremos trazer para todos os internautas deste Blog: NA VIDA MISSIONÁRIA ONDE ESTOU... o Pe. LUIZ CARLOS ALVES DA SILVA.
Nosso sacerdote encontra-se atualmente na Paróquia de São Sebastião, Praça Francisco Carlos de Medeiros, 83 – Centro, Jucurutu/RN, uma Paróquia bastante antiga da Diocese de Caicó, criada em 1º de setembro de 1874, confirmada por D. Fr. Vital maria Gonçalves de Oliveira, 20º Bispo de Olinda (PE). Desmembrou-se da paróquia de Sant´Ana de Caicó.
A Paróquia de São Sebastião é bastante extensa e é composta pelas comunidades:
* Igreja Matriz de São Sebastião (Centro)
* Capela de N. Sra. da Guia (Distrito de Boi Selado)
* Capela de Sant´Ana (Distrito Barra de Santana)
* Capela de Santa Isabel (Bairro Santa Isabel)
* Capela de São José (Abrigo)
* Capela de São Pedro (Sítio Tapera)

* Capela de São Sebastião (Sítio Cacimbas)

O Padre Luiz Carlos atualmente conta com a colaboração de três Diáconos Permanentes. Roguemos ao Senhor da Messe que o ajude nesta missão. Nossas orações por todos os paroquianos e pelo seu Pastor. 

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

RECONHECIMENTO!!!

Hoje o Grupo de vida João Paulo II quer homenagear uma pessoa mais que especial para a caminhada dos Grupos de Vida. Nossa amiga Gildileide!!! Junto ao Seu esposo Aluísio eles sempre foram muito presente na vida do Seminário de São Pedro em Natal/RN. Seus trabalhos foram e continuam sendo presente na vida de sacerdotes e seminaristas. Nosso muito obrigado ao casal Aluísio e Gildileide por todo o bem feito aos seminaristas e sacerdotes. Nossas orações e nossa gratidão de todos os que fazem o grupo de Vida João Paulo II

Comentário da Liturgia Diária - Lc 21,1-4


Jesus estava diante do tesouro do templo e observava os gestos de duas categorias de pessoas: uma pobre viúva e as pessoas ricas. O gesto é o mesmo: colocar a sua oferta no templo. Mas o significado que têm para essas pessoas seria o mesmo? A viúva entrega tudo o que tem para viver, doa a própria vida. Os ricos ofertam suas sobras, não lhes faz falta alguma o que dão e em muitos casos só ofertam para serem notados. Aqui aprendemos que os homens olham a aparência e Deus conhece o coração. Façamos todas as coisas por amor a Deus e não para sermos notados. Deus abençoe você! (Fonte Catolico Orante – Pe. João Manoel Lopes)

domingo, 26 de novembro de 2017

PARÓQUIA DA SAGRADA FAMÍLIA VISITA FILHOS AUSENTES



Neste sábado dia 25/11/2017 na Capela de São Geraldo No bairro nova descoberta em Natal, o Padre Hipolito Juntamente com os peregrinos da sagrada Família participaram da Santa Missa dedicada a todos os filhos ausentes da cidade de Tenente Ananias. O evento contou com a participação de mais de 170 pessoas. Um momento feliz para a nossa paróquia. O Encontro com os paroquianos que residem fora é uma forma de demonstrar a totalidade da nossa comunidade Paroquial.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

PASTORAL DO DÍZIMO

A Paróquia de Santo Antônio, localizada na região do alto oeste do estado do RN, situado na Diocese de Santa Luzia de Mossoró, prepara os calendários para todos os dizimistas da comunidade. A pastoral do dízimo coordenada pela Dizimista Regiane além de celebrarem a semana do Dízimo e realizar a espiritualidade dos agentes do Dízimo se preocupa com este material. Nossa gratidão a todos os dizimistas de nossa paróquia, sua generosidade e fidelidade nos ajudou durante todo este ano de 2017 assumir todos os deveres necessários a evangelização. Que Santo Antônio vos abençoe hoje e sempre. Feliz ano novo!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

COORDENADOR SOLICITA REVITALIZAÇÃO DO BLOG DO GVJPII

Na vivencia de um mundo globalizado e cheio de informações, que muitas vezes essa ferramenta tem sido utilizada para destruir, marginalizar e ferir o irmão, o coordenador do grupo de Vida o seminarista Marcos, solicitou ao Grupo a revitalização do nosso blog, como uma ferramenta para divulgar o amor de Deus na vida das Pessoas.

NOVO DIÁCONO DO GRUPO DE VIDA!!!

Nas comemorações do Natal do Senhor o grupo de vida João Paulo II acolhe com alegria o novo Diácono o seminarista Marcos. Após ter concluído seus estudos Filosóficos e Teológicos o seminarista Marcos junto com seu companheiro Fagner fizeram suas experiencias pastorais e em dezembro serão ordenados Diácono. Nós que compomos o Grupo de Vida João Paulo II rogamos a Deus pelos nossos Irmãos. 

GRUPO DE VIDA REALIZARÁ MAIS UM ENCONTRO!!

O Grupo de Vida João Paulo II nos dias 01 a 04 de Janeiro do ano de 2018, irão realizar mais um encontro de formação e fraternidade dos seus membros. O coordenador o seminarista Marcos, prepara este encontro na certeza de que a vivencia fraterna conduz os homens para um encontro com Deus.

sábado, 19 de julho de 2014

ANIVERSÁRIO DE ORDENAÇÃO SACERDOTAL

No dia 13 de Julho 2014, os Padres: Hipolito, Luiz Carlos, Cláudio (ambos fazem parte do grupo de vida João Paulo II), Jerônimo, João Junior e Rodrigo comemoraram 2 anos de vida sacerdotal. No dia 13 Domingo cada sacerdote celebrou a Santa Missa em suas respectivas paróquias. No dia 14 todos os sacerdotes celebraram a Santa Eucaristia na Paróquia de Santo Antônio em Marcelino Vieira Diocese de Mossoró, onde encontra na administração da Paróquia o Pe. Hipolito. Neste dia estiveram presente o Pe. Estanlei que pregou na Santa Missa, o Pe. José Mario - Administrador Paroquial do Encanto e o Pe. Francisco da Diocese de Cajazeira. A Santa Missa contou com a presença de vários fiéis. Na manhã do dia 15 de Julho em uma pequena comunicação o Pe. Hipolito sugeriu ao grupo de Padres que deveríamos continuar com esta celebração anual com a presença de todos, tendo em vista que a celebração deve acontecer no dia 14 em paroquias diferente a cada ano. A sugestão foi acatada por todos e ficou definido que para o ano de 2015 iremos celebrar na paróquia do Pe.Cláudio, isso é, onde estiver o Padre todos deverão ir Celebrar.
Veja algumas fotos:






quarta-feira, 2 de julho de 2014

GRUPO DE VIDA REALIZA ENCONTRO E ACOLHE NOVO MEMBRO

Nos dias 30/06 a 01/07 o grupo de Vida João Paulo II vivenciou mais um encontro. Na ocasião os componentes do Grupo de Vida acolheram o seu mais novo membro o Seminarista Marcos Barbosa da Diocese de Caicó. Dentro das alegrias os componentes rezaram pelo ordenação Diaconal do Seminarista Júnior. Foram dias de alegrias, partilha e oração. Hoje com a Acolhida do novo membro o grupo é formado por: Pe. Hipolito, Pe. Luiz Carlos, Pe. Cláudio, Pe. Manoel Alaíde, Pe. Joseilton, Seminaristas: Júnior, Marcos e Emanuel Davi (Coordenador do Grupo)
Fotos: 

Padres: Luiz Carlos,  Hipolito, Manoel e Cláudio e Sem. Junior e Emanuel.







terça-feira, 13 de agosto de 2013

CASAIS QUE SE CONTEMPLAM - PE. ZEZINHO, SCJ

Contou-me ele, depois de onze anos de casamento. Não conseguindo dormir de dor no joelho, sentou-se numa poltrona ao lado da esposa que dormia no leito, chegou mais perto e passou a noite contemplando a mulher que o fizera pai, o ajudara a amadurecer para o amor e para a vida e o enchera de felicidade e sensatez. 
 -"Gratidão foi o que senti"-, dizia ele. E prosseguiu: - "Deus me deu uma mulher suave bonita, dois filhos, uma família amorosa e uma cúmplice para todos os momentos" É discorria: "Fiquei olhando a mulher que eu procurara e achara, a mãe dos meus filhos, aquele corpo bonito, aquela alma escondida sob os olhos que dormiam, e vi nela meu outro eu, extensão de mim, ou eu extensão dela, não sei ao certo! 
 Mas uma das frases dele captou-me de maneira especial. Disse-me: -" Eu era um tipo de homem antes dela. Depois dela eu mudei. Acho que Deus a enxertou em mim e me enxertou nela. Produzo frutos que jamais pensei ser capaz de produzir. Ela deu sabor especial à minha vida. Acho que eu também a tornei mais pessoa."
 Palavras de marido apaixonado que contempla sua esposa à beira do leito. Quantas esposas e maridos não assinariam em baixo dessa frase? Embora vocês brinquem, dizendo que se casaram com um desastre, com um estrupício, brincadeiras à parte, vocês sabem que, agora, quando querem achar-se, precisam mergulhar um no outro, porque seu eu está dentro da pessoa amada. Vocês deram, um ao outro, o que tinham de melhor e, agora, quando querem achar o melhor si, procuram no cônjuge. É investimento que rende! Isso, quando o casamento deu certo! 
 Conto sempre a história de Dona Leila, para ilustrar o que é um bom casamento. As meninas, que a idolatravam pela excelente mestra e amiga que era, um dia, em aula, perguntaram, à queima roupa, quando ela perdera a virgindade. Dona Leila, tranqüila, reagiu: - Mas eu não perdi! Não sou mais virgem, mas não perdi a virgindade!
- A senhora é casada e tem três filhos. Como não perdeu a virgindade?
 - Eu não rodei bolsinha, nem saí do baile para o motel com um cara que nunca mais vi. Não perdi a virgindade para qualquer um. Dei-a ao meu marido e ele mora comigo. Minha virgindade está lá no mesmo leito que dividimos há catorze anos. E está em excelentes mãos. Só perde a virgindade quem não sabe onde a colocou. Eu sei o que fiz. Foi troca: eu me dei a ele e ele se deu a mim. Agora eu sou de um bom homem e ele, modéstia à parte é meu. Ele não precisa dizer isso: eu percebo.
 Daquele dia em diante, as meninas perceberam que, isso de gostar de um cara, namorar e acasalar, passa pela descoberta de quem é este outro com quem criarão filhos. Sem alteridade, o sexo é apenas um troca-troca egoísta. Com alteridade é uma viagem de almas e corpos entrelaçados. É por isso que o casamento se chama de enlace! De laços o amor é feito. 


Comentários para: online@paulinas.com.br

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

SUA PARÓQUIA INFORMATIZADA!!!

   
A Paróquia de Santo Antônio de Marcelino Vieira - RN  vos convida para o lançamento do novo blog. Este é um meio de tornar a Igreja mais próxima do povo e assim, fortalecer essa união. Essa é uma iniciativa do Padre Hipólito Araújo, do secretário paroquial Ikaro Drêan e da PASCOM, com o anseio de levar aos leitores as informações relevantes e necessárias para todos aqueles que desejam participar e conhecer a ação pastoral e evangelizadora da Paróquia.


quarta-feira, 24 de abril de 2013

QUINTA FEIRA 25 DE ABRIL: ORDENAÇÃO SACERDOTAL DO DIÁCONO ANTÔNIO MARCOS MACIEL DE ARAUJO

Convite:
O Diácono Marcos Maciel e família, tem a honra de convidar todos os cidadãos Florenses, e de todo o Pajeú, a se fazerem presentes a Ordenação Sacerdotal, que se realizará nesta próxima quinta feira, dia 25 de abril de 2013, às 18hs, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Flores Pernambuco.

Contamos com a presença de todos para abrilhantar ainda mais esse momento de celebração e fé.

Fonte: http://www.blogdolazaro.com.br

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Festa de Santo Antonio 2013 em Marcelino Vieira!

A Paroquia de Santo Antonio em Marcelino Vieira já se prepara para mais ma festa do Seu Padroeiro. No período de 03 a 13 de Junho/2013 nossa cidade se reveste do entusiasmo de nossos paroquianos, amigos e devoto de Santo Antonio. Venham participar também conosco. Sua Família é a nossa Família Vieirense.

Peregrinação de Santo Antônio em Natal!

Queridos Irmãos em Cristo, Paz e Luz para todos!
No dia 17 de Maio a nossa comunidade vieirense participará da sua primeira peregrinação com a Imagem do glorioso Santo Antônio na Cidade do Natal, é com alegria que convidamos devotos e filhos ausentes a participarem deste momento de fé da nossa comunidade Paroquial de Marcelino Vieira.

Santo Antônio Rogai por Nós!

Agradece.
Pe. Hipolito e Equipe missionária.

sábado, 30 de março de 2013

SÁBADO SANTO



Significado do Sábado da Vigília ou Sábado de Aleluia

Na tradição católica, é costume o altar serem descomposto, pois, tal como na Sexta-Feira Santa, não se celebra a Eucaristia. As únicas celebrações são as que fazem parte da Liturgia das Horas.

Além da eucaristia, é proibido celebrar qualquer outro sacramento, exceto o da confissão. São permitidas exéquias, mas sem celebração de missa. A distribuição a comunhão eucarística só é permitida sob a forma de viático, isto é, em caso de morte.

No Sábado Santo, com a chegada da noite, entramos no coração das celebrações da Semana Santa! É a hora da Grande Vigília, a Vigília Pascal, que Santo Agostinho chamava a Mãe de todas as Vigílias!
Somos uma Igreja Pascal, por isso umas das maiores celebrações da nossa Igreja Católica é a Festa da Páscoa.

A Liturgia da Vigília Pascal, riquíssima, divide-se em quatro partes:

1 - A Liturgia da Luz: durante a qual se acende o Círio Pascal e a Benção do Fogo, que simbolizam o Cristo morto e ressuscitado;

2 - Liturgia da Palavra: com cinco leituras de trechos do Antigo Testamento, intercalados de salmos e orações, através dos quais a Igreja medita sobre os atos poderosos de Deus na história da salvação da humanidade;

3 - Liturgia Batismal: recorda-se que, desde os primeiros séculos da Igreja, o Batismo esteve sempre intimamente ligado à Páscoa. Os catecúmenos recebem sacramentalmente as graças da Morte e da Ressurreição de Cristo, quando toda a Igreja celebra o memorial desses atos redentores. E é naturalmente a melhor das ocasiões para toda a congregação cristã renovar os seus próprios votos batismais;

4 - Liturgia Eucarística: somos sacramentalmente reunidos a Cristo vivo e ressuscitado, fazendo nossa a Páscoa do Senhor. É o clímax natural da Liturgia Pascal. Salvo por fortes razões, não deve ser omitida e terá lugar sempre depois da meia-noite.

Fonte: http://www.santoprotetor.com

sexta-feira, 29 de março de 2013

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR



A tarde de Sexta-feira Santa apresenta o drama imenso da morte de Cristo no Calvário. A cruz erguida sobre o mundo segue de pé como sinal de salvação e de esperança. Com a Paixão de Jesus segundo o Evangelho de João contemplamos o mistério do Crucificado, com o coração do discípulo Amado, da Mãe, do soldado que lhe traspassou o lado.

São João, teólogo e cronista da paixão nos leva a contemplar o mistério da cruz de Cristo como uma solene liturgia. Tudo é digno, solene, simbólico em sua narração: cada palavra, cada gesto. A densidade de seu Evangelho agora se faz mais eloquente. E os títulos de Jesus compõem uma formosa Cristologia. Jesus é Rei. O diz o título da cruz, e o patíbulo é o trono onde ele reina. É a uma só vez, sacerdote e templo, com a túnica sem costura com que os soldados tiram a sorte. É novo Adão junto à Mãe, nova Eva, Filho de Maria e Esposo da Igreja. É o sedento de Deus, o executor do testamento da Escritura. O Doador do Espírito. É o Cordeiro imaculado e imolado, o que não lhe romperam os ossos. É o Exaltado na cruz que tudo o atrai a si, quando os homens voltam a ele o olhar.

A Mãe estava ali, junto à Cruz. Não chegou de repente no Gólgota, desde que o discípulo amado a recordou em Caná, sem ter seguido passo a passo, com seu coração de Mãe no caminho de Jesus. E agora está ali como mãe e discípula que seguiu em tudo a sorte de seu Filho, sinal de contradição como Ele, totalmente ao seu lado. Mas solene e majestosa como uma Mãe, a mãe de todos, a nova Eva, a mãe dos filhos dispersos que ela reúne junto à cruz de seu Filho.

Maternidade do coração, que infla com a espada de dor que a fecunda.

A palavra de seu Filho que prolonga sua maternidade até os confins infinitos de todos os homens. Mãe dos discípulos, dos irmãos de seu Filho. A maternidade de Maria tem o mesmo alcance da redenção de Jesus. Maria contempla e vive o mistério com a majestade de uma Esposa, ainda que com a imensa dor de uma Mãe. São João a glorifica com a lembrança dessa maternidade. Último testamento de Jesus. Última dádiva. Segurança de uma presença materna em nossa vida, na de todos. Porque Maria é fiel à palavra: Eis aí o teu filho.

O soldado que traspassou o lado de Cristo no lado do coração, não se deu conta que cumpria uma profecia realizava um último, estupendo gesto litúrgico. Do coração de Cristo brota sangue e água. O sangue da redenção, a água da salvação. O sangue é sinal daquele maior amor, a vida entregue por nós, a água é sinal do Espírito, a própria vida de Jesus que agora, como em uma nova criação derrama sobre nós.

A Celebração

Hoje não se celebra a missa em todo o mundo. O altar é iluminado sem mantel, sem cruz, sem velas nem adornos. Recordamos a morte de Jesus. Os ministros se prostram no chão frente ao altar no começo da cerimônia. É a imagem da humanidade rebaixada e oprimida, e ao mesmo tempo penitente que implora perdão por seus pecados.

Vão vestidos de vermelho, a cor dos mártires: de Jesus, o primeiro testemunho do amor do Pai e de todos aqueles que, como ele, deram e continuam dando sua vida para proclamar a libertação que Deus nos oferece.

Ação litúrgica na Morte do Senhor

1. A ENTRADA

A impressionante celebração litúrgica da Sexta-feira começa com um rito de entrada diferente de outros dias: os ministros entram em silencio, sem canto, vestidos de cor vermelha, a cor do sangue, do martírio, se prostram no chão, enquanto a comunidade se ajoelha, e depois de um espaço de silêncio, reza a oração do dia.

2. Celebração da Palavra

Primeira Leitura
Espetacular realismo nesta profecia feita 800 anos antes de Cristo, chamada por muitos o 5º Evangelho. Que nos introduz a alma sofredora de Cristo, durante toda sua vida e agora na hora real de sua morte. Disponhamo-nos a vivê-la com Ele.

Leitura do Profeta Isaías 52, 13 ; 53
Eis que meu Servo há de prosperar, ele se elevará, será exaltado, será posto nas alturas.
Exatamente como multidões ficaram pasmadas à vista dele - tão desfigurado estava seu aspecto e a sua forma não parecia a de um homem - assim agora nações numerosas ficarão estupefatas a seu respeito,  reis permanecerão silenciosos, ao verem coisas que não lhes haviam sido contadas e ao tomarem consciência de coisas que não tinham ouvido.

Quem creu naquilo que ouvimos, e a quem se revelou o braço do Senhor? Ele cresceu diante dele como um renovo, como raiz que brota de uma terra seca; não tinha beleza nem esplendor que pudesse atrair o nosso olhar, nem formosura capaz de nos deleitar.

Era desprezado e abandonado pelos homens, um homem sujeito à dor, familiarizado com a enfermidade, como uma pessoa de quem todos escondem o rosto; desprezado, não fazíamos nenhum caso dele.
E, no entanto, eram as nossas enfermidades que ele levava sobre si, as nossas dores que ele carregava.
Mas nós o tínhamos como vítima do castigo, ferido por Deus e humilhado.

Mas ele foi trespassado por causa de nossas transgressões, esmagado em virtude de nossas iniquidades.
O castigo que havia de trazer-nos a paz caiu sobre ele, sim, por suas feridas fomos curados.
Todos nós como ovelhas, andávamos errantes, seguindo cada um o seu próprio caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós.

Foi maltratado, mas livremente humilhou-se e não abriu a boca, como cordeiro conduzido ao matadouro; como uma ovelha que permanece muda na presença de seus tosquiadores ele não abriu a boca.
Após a detenção e julgamento, foi preso. Dentre os seus contemporâneos, quem se preocupou com o fato de ter ele sido cortado da terra dos vivos, de ter sido ferido pela transgressão do seu povo?

Deram sepultura com os ímpios, o seu túmulo está com os ricos, se bem que não tivesse praticado violência nem tivesse havido engano em sua boca.
Mas o Senhor quis feri-lo, submetê-lo à enfermidade. Mas, se ele oferece a sua vida como sacrifício pelo pecado, certamente verá uma descendência, prolongará os seus dias, e por meio dele o desígnio de Deus há de triunfar.

Após o trabalho fatigante de sua alma ele verá a luz e se fartará. Pelo seu conhecimento, o justo, meu Servo, justificará a muitos e levará sobre si as suas transgressões.
Eis porque lhe darei um quinhão entre as multidões; com os fortes repartirá os despojos, visto que entregou sua alma à morte e foi contado com os transgressores, mas na verdade levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores fez intercessão. Palavra do Senhor

Salmo responsorial
Neste Salmo, recitado por Jesus na cruz, entrecruzam-se a confiança, a dor, a solidão e a súplica: com o Homem das dores, façamos nossa oração
.
Sl 30, 2 e 6. 12-13. 15-16. 17 e 25.

Senhor, em tuas mãos eu entrego meu espírito.

Senhor, eu me abrigo em ti: que eu nunca fique envergonhado; Salva-me por sua justiça. Leberta-me em tuas mãos eu entrego meu espírito, é tu quem me resgatas, Senhor.

Pelos opressores todos que tenho já me tornei um escândalo; para meus vizinhos, um asco, e terror para meus amigos. Os que me veem na rua fogem para longe de mim; fui esquecido, como um morto aos corações, estou como um objeto perdido.

Quanto a mim, Senhor, confio em ti, e digo: " tu és o meu Deus!". Meus tempos estão em tua mão: liberta-me da mão dos meus inimigos e perseguidores. Faze brilhar tua face sobre o teu servo, salva-me por teu amor. Sede firmes, fortalecei vosso coração, vós todos que esperais no Senhor.

Segunda leitura
O Sacerdote é o que une Deus ao homem e os homens a Deus… Por isso Cristo é o perfeito Sacerdote: Deus e Homem. O Único e Sumo e Eterno Sacerdote. Do qual o Sacerdócio: o Papa, os Bispos, os sacerdotes e dos Diáconos unidos a Ele, são ministros, servidores, ajudantes…

Leitura da Carta aos Hebreus 4,14-16; 5,7-9.
Temos, portanto, um sumo sacerdote eminente, que atravessou os céus: Jesus, o Filho de Deus. Permaneçamos, por isso, firmes na profissão de fé. Com efeito, não temos um sumo sacerdote incapaz de se compadecer das nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo como nós, com exceção do pecado. Aproximemo-nos, então, com segurança do trono da graça para conseguirmos misericórdia e alcançarmos graça, como ajuda oportuna.

É ele que, nos dias de sua vida terrestre, apresentou pedidos e súplicas, com veemente clamor e lágrimas, àquele que o podia salvar da morte; e foi atendido por causa da sua submissão. Embora fosse Filho, aprendeu, contudo, a obediência pelo sofrimento; e, levado à perfeição, se tornou para todos os que lhe obedeceram princípio da salvação eterna. Palavra do Senhor.

Versículo antes o Evangelho (Fl 2, 8-9)

Cristo, por nós, humilhou-se e foi obediente até a morte, e morte de cruz. Por isso Deus o sobre-exaltou grandemente e o agraciou com o Nome que é acima de todo nome.

Como sempre, a celebração da Palavra, depois da homilia conclui-se com uma ORAÇÃO UNIVERSAL, que hoje tem mais sentido do que nunca: precisamente porque contemplamos a Cristo entregue na cruz como Redentor da humanidade, pedimos a Deus a salvação de todos, crentes e não crentes.

3. Adoração da Cruz
Depois das palavras passamos a um ato simbólico muito expressivo e próprio deste dia: a veneração da Santa Cruz é apresentada solenemente a Cruz à comunidade, cantando três vezes a aclamação:
"Eis o lenho da Cruz, onde esteve pregada a salvação do mundo. Ó VINDE ADOREMOS", e todos ajoelhados uns instantes de cada vez, e então vamos, em procissão, venerar a Cruz pessoalmente, com um genuflexão (ou inclinação profunda) e um beijo (ou tocando-a com a mão e fazendo o sinal da cruz ); enquanto cantamos os louvores ao Cristo na Cruz :

4. A comunhão
Desde de 1955, quando Pio XII decidiu, na reforma que fez na Semana Santa, não somente o sacerdote - como até então - mas também os fiéis podem comungar com o Corpo de Cristo.
Ainda que hoje não haja propriamente Eucaristia, mas comungando do Pão consagrado na celebração de ontem, Quinta-feira Santa, expressamos nossa participação na morte salvadora de Cristo, recebendo seu "Corpo entregue por nós".

Fonte: http://www.catequisar.com.br

quinta-feira, 28 de março de 2013

SEMANA SANTA- CEIA DO SENHOR


DIA 28 DE MARÇO - QUINTA-FEIRA

CEIA DO SENHOR
(BRANCO, GLÓRIA, PREFÁCIO DA EUCARISTIA – OFÍCIO PRÓPRIO)


Evangelho (João 13,1-15)
Glória a vós, ó Cristo, Verbo de Deus.
Eu vos dou este novo mandamento, nova ordem agora vos dou, que, também, vos ameis uns aos outros, como eu vos amei, diz o Senhor (Jo 13,34).


Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João. 
13 1 Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo ao Pai, como amasse os seus que estavam no mundo, até o extremo os amou. 
2 Durante a ceia, - quando o demônio já tinha lançado no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de traí-lo -, 
3 sabendo Jesus que o Pai tudo lhe dera nas mãos, e que saíra de Deus e para Deus voltava, 
4 levantou-se da mesa, depôs as suas vestes e, pegando duma toalha, cingiu-se com ela. 
5 Em seguida, deitou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido. 
6 Chegou a Simão Pedro. "Mas Pedro lhe disse: Senhor, queres lavar-me os pés!"
7 Respondeu-lhe Jesus: "O que faço não compreendes agora, mas compreendê-lo-ás em breve". 
8 Disse-lhe Pedro: "Jamais me lavarás os pés!" Respondeu-lhe Jesus: "Se eu não tos lavar, não terás parte comigo".
9 Exclamou então Simão Pedro: "Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça". 
10 Disse-lhe Jesus: "Aquele que tomou banho não tem necessidade de lavar-se; está inteiramente puro. Ora, vós estais puros, mas nem todos!"
11 Pois sabia quem o havia de trair; por isso, disse: "Nem todos estais puros". 
12 Depois de lhes lavar os pés e tomar as suas vestes, sentou-se novamente à mesa e perguntou-lhes: "Sabeis o que vos fiz? 
13 Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. 
14 Logo, se eu, vosso Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar-vos os pés uns aos outros. 
15 Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, assim façais também vós".
Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho
É PRECISO CONVERTER-SE!
A recusa de Pedro de deixar-se lavar os pés revelou uma mentalidade da qual devia abrir mão como pré-requisito para continuar a ser discípulo de Jesus. Sem isto, era impossível ter parte com ele, e compartilhar de sua vida e missão. 

Pedro comungava com a mentalidade hierarquizada da época, a qual determinava a cada um o seu devido lugar. A relação entre mestre e discípulo era regulada pela superioridade, sapiência, respeitabilidade de um, e pela inferioridade, ignorância e submissão do outro. Ao discípulo competia comportar-se como servidor do Mestre, por exemplo, lavando-lhe os pés após uma longa caminhada. 
O comportamento de Jesus foi, totalmente, diferente. Foi o do escravo que acolhe um hóspede que chega de viagem à casa de seu senhor. Lavar os pés do visitante não cabia ao dono da casa, e sim aos servos. 

O gesto de Jesus pareceu inaceitável a Pedro, pois rompia a hierarquia, podendo gerar desrespeito. A mentalidade de Pedro era perigosa. Agindo assim, corria o risco de introduzir na comunidade dos discípulos de Jesus o esquema de senhor-escravo o qual o Mestre viera abolir. Corria o risco de pôr a perder a obra de Jesus, contaminando-a com os modelos superados, próprios do mundo do pecado. Era urgente que Pedro se convertesse e se convencesse de que, no Reino, a grandeza consiste em fazer-se servidor de todos sem distinção. 

Fonte: http://www.domtotal.com

quarta-feira, 27 de março de 2013

EVANGELHO DO DIA


DIA 27 DE MARÇO - QUARTA-FEIRA

SEMANA SANTA
(ROXO, PREFÁCIO DA PAIXÃO II – OFÍCIO DO DIA)

Evangelho (Mateus 26 14-25)
Salve, Cristo, luz da vida, companheiro na partilha!
Salve, nosso rei, somente vós tendes compaixão dos nossos erros.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus. 
Naquele tempo, 26 14 um dos Doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os príncipes dos sacerdotes e perguntou-lhes: 
15 "Que quereis dar-me e eu vo-lo entregarei". Ajustaram com ele trinta moedas de prata. 
16 E desde aquele instante, procurava uma ocasião favorável para entregar Jesus. 
17 No primeiro dia dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram-lhe: "Onde queres que preparemos a ceia pascal?" 
18 Respondeu-lhes Jesus: "Ide à cidade, à casa de um tal, e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer-te: Meu tempo está próximo. É em tua casa que celebrarei a Páscoa com meus discípulos’". 
19 Os discípulos fizeram o que Jesus tinha ordenado e prepararam a Páscoa. 
20 Ao declinar da tarde, pôs-se Jesus à mesa com os doze discípulos. 
21 Durante a ceia, disse: "Em verdade vos digo: um de vós me há de trair". 
22 Com profunda aflição, cada um começou a perguntar: "Sou eu, Senhor?" 
23 Respondeu ele: "Aquele que pôs comigo a mão no prato, esse me trairá. 
24 O Filho do Homem vai, como dele está escrito. Mas ai daquele homem por quem o Filho do Homem é traído! Seria melhor para esse homem que jamais tivesse nascido!" 
25 Judas, o traidor, tomou a palavra e perguntou: "Mestre, serei eu?" "Sim", disse Jesus.
Palavra da Salvação.
Comentário ao Evangelho
A COMUNHÃO ROMPIDA 
O contexto do anúncio da traição de Judas aponta para a ruptura da comunhão que a traição comportaria. Esta seria consumada por alguém que partilhava a intimidade de Jesus, na condição de companheiro de caminhada e missão. Sentar-se à mesma mesa simbolizava comunhão de vida. A traição revelaria a hipocrisia de Judas no seu relacionamento com Jesus. Não era quem dava a impressão de ser, e sim um traidor travestido de amigo. 

Judas, no entanto, não detinha o poder sobre a vida de Jesus. O evangelho sublinha que o gesto dele estava inserido num contexto maior do desígnio divino a respeito do Messias. Nem por isso sua responsabilidade foi menor. As palavras terríveis que recaíram sobre ele não deixam dúvida a este respeito: "Seria melhor que nunca tivesse nascido!".

Toda a cena é comandada por Jesus. É ele quem dá instruções precisas a respeito do lugar onde deve ser preparada a ceia pascal, da pessoa que haveria de ceder-lhes o local, da mensagem que lhe seria transmitida e dos detalhes da preparação. Os discípulos obedecem prontamente, fazendo tudo conforme o Mestre determinara. 

Só Judas age na contramão da vontade do Mestre, mesmo que sua decisão, em última análise, já estivesse no contexto da vontade de Deus. Nenhum discípulo deveria seguir um tal exemplo.